Assembleia propõe série de atividades contra intervenção militar no Rio

 

Aconteceu na tarde dessa sexta-feira, no auditório 71 do Campus Maracanã, a primeira assembleia docente após o retorno das aulas.

Além da situação de funcionamento da Uerj, a pauta incluiu a conjuntura de acirramento do golpe, com a intervenção militar na segurança do Rio de Janeiro, as perspectivas de luta e as estratégias de mobilização. Entre estas últimas, a diretoria da Asduerj informou a participação da entidade na próxima edição do Fórum Social Mundial. O evento acontece entre os dias 13 e 17 de março em Salvador (BA).

A assembleia acatou ainda a realização de eleições extraordinárias para o Conselho de Representantes da Asduerj. O objetivo é ampliar a participação da base dos docentes nos fóruns de deliberação da entidade.

 

O debate sobre a intervenção militar na segurança do Estado ocupou grande parte da discussão. Após as discussões, a assembleia encaminhou a realização de um círculo de debates, reuniões e plenárias sobre o tema como as realizadas pelo Andes-SN e pela Federação de Favelas do Estado do Rio de Janeiro (Faferj).

Uma nota de homenagem ao professor Teothônio Santos Júnior, falecido na última terça-feira, 27/2, foi apresentada e acolhida pela assembleia, assim como a moção de apoio ao professor Luís Felipe Miguel da Universidade de Brasília (UNB), que foi acionado pelo Ministério da Educação pela criação da disciplina "O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil".