Suspensão da greve: Nota Conjunta à Comunidade da Uerj

A UERJ enfrentou nos seus dois últimos anos (2016-17), os piores problemas de sua existência, coincidentemente com as mudanças decorrentes do golpe e da chegada ao poder do governo Temer, artífice de verdadeira quadrilha contrária aos interesses nacionais, afinada com interesses de usurpadores internacionais, defensores da austeridade contra o povo e contrários à democracia e à soberania nacional. As Universidades estão entre os seus alvos, como a própria experiência da UERJ tem demonstrado e o Banco Mundial confirmado em declarações recentes.

Neste período de lutas intensas de toda nossa comunidade, técnico-administrativos, docentes e estudantes acumulam prejuízos imensos em suas rotinas de trabalho e de vida. A UERJ pública e gratuita esteve o tempo todo ameaçada e profundamente prejudicada nas suas atividades essenciais de ensino, pesquisa e extensão. A Universidade, por diversas vezes, não teve condições mínimas de funcionamento. Os prejuízos acarretados aos três segmentos que a compõe e aos que dependem de seu funcionamento pleno, precisam agora ser dimensionados e a normalidade deve ser progressivamente restaurada com garantias de suas condições de funcionamento e o pagamento em dia de salários e bolsas.

É urgente uma solução para retomada do calendário acadêmico. Restam 54 dias letivos para a UERJ encerrar o 1º período de 2017. Será para todos e para a Instituição um grande movimento de superação, com características distintas em cada Unidade. Para tal, será necessária uma pactuação entre todos os segmentos e dirigentes universitários. Assim, as entidades se manifestam desde já a favor deste pacto em torno de um programa em defesa da UERJ.
Tem valido a pena toda a luta travada e continuará valendo lutar. Nossas frentes vão desde as condições de funcionamento pleno da universidade, até a defesa da democracia e da soberania nacional, ameaçadas pelo atual quadro político de exceção. O caminho das ruas permanecerá com manifestações amplas em defesa do Rio de Janeiro, do Brasil, das universidades públicas e gratuitas e da Ciência brasileiras. A UERJ que resiste também nos une.

DCE - SINTUPERJ - ASDUERJ

Pela autonomia universitária e gestão democrática e transparente dos recursos.
Pela garantia do cumprimento de um calendário de pagamento de salários, bolsas e repasses.
Em defesa do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Policlínica Piquet Carneiro, seus serviços de excelência e do papel fundamental que desempenha na sociedade.
Pela recuperação política, econômica e ética do Estado do RJ e do Brasil.
Em defesa da Democracia e pela Soberania Nacional.