Sobre as condições de funcionamento da Uerj

Três meses após a decisão da Reitoria da UERJ de iniciar as aulas do semestre de 2016.2, mesmo sem salários e bolsas em dia, com o bandejão parado e inúmeras incertezas acerca das condições de funcionamento da Universidade, estamos encerrado de forma melancólica o semestre. Semestre este que foi reduzido a 13 semanas, com indubitáveis prejuízos acadêmicos.

A opinião da Reitoria, verbalizada em reunião com a Diretoria da Asduerj, é de que as condições de funcionamento da Universidade melhoraram ao longo do semestre. Definitivamente não é o que aconteceu.

 O que vimos no dia a dia da UERJ, nas salas de aula e corredores foi bem diferente: professores estressados e crescentemente insatisfeitos e endividados, muitos, inclusive, adoecendo; estudantes igualmente estressados tendo que pedir dinheiro emprestado a familiares e se desdobrar entre dar conta dos estudos e se alimentar condignamente, muitas vezes tendo que escolher entre um prato de comida e a passagem até a universidade; técnicos, em greve, se desdobrando em rodízios para assegurar serviços essenciais. E pior, vimos a degradação crescente das relações interpessoais e entre os diversos segmentos da Universidade.

Mas resistimos e chegamos ao fim do semestre, mesmo que aos trancos e barrancos. Mas, decididamente, não dá para iniciar o próximo semestre deste mesmo jeito. Por isso, nós docentes demos um basta: ou o governo estadual paga o que nos deve ou não iniciaremos o próximo semestre. Assim, decretamos na assembleia da última quinta-feira, 06/07, que a partir do dia 01 de agosto de 2017 os professores da UERJ entrarão em greve. A única forma de evitar que a greve aconteça é o governo pagar tudo que deve aos trabalhadores da UERJ (13º salário de 2016, salários de abril, maio e junho) e aos estudantes (bolsas de maio e junho) e também repassar verbas de custeio que assegurem a manutenção adequada da Universidade.

SE O GOVERNO NÃO PAGAR O QUE DEVE A UERJ NÃO TEM AULA EM AGOSTO!

Todos à assembleia do dia 01/08 às 14h no Maracanã.